Header Ads

test

Crônica do Dia – A UTOPIA DO MUNDO NOVO – Por professor Rivio Xavier Jr.

Professor Rivio Xavier Jr.

Ao primeiro pedido de apoio para ajudar às necessidades dos sistemas hospitalares inundados com pacientes infectados com o novo coronavírus e outras tantas enfermidades, milhares de médicos e enfermeiros responderam com o seu altruísmo e disseram sim. Os cidadãos voluntários para apoiar idosos isolados ou vizinhos dispostos a ajudar vizinhos mais fragilizados deram origem a abundantes casos de solidariedade. Muitas empresas empenharam-se em ajudar os seus trabalhadores ou a comunidade. A partilha do medo do vírus que não conhece raças, nações, estatutos sociais ou culturais. As políticas de apoio aos desempregados apareceram em um momento crítico.
Sinais como estes legitimam a convicção de muitos sobre o prenúncio de um novo tempo, um tempo mais solidário, mais altruísta, mais sensível aos problemas dos outros, mais capaz de compreender que a diversidade racial, étnica ou nacional é uma riqueza, não uma ameaça. Um choque como o que estamos a viver força-nos a questionar tudo, a constatar que, como agora se diz, afinal éramos felizes e não sabíamos, ou a reparar que no culto do indivíduo tanto pode estar a semente da liberdade como o vírus que corrói o sentimento de pertença a uma comunidade. Mas se é possível que o pesadelo mundial do vírus nos leve ao reencontro com os valores de um humanismo perdido, se o modelo económico e social pode recuar décadas e corrigir os excessos de um capitalismo que se centrou no ego dos empresários, a capacidade de redistribuir e disseminar o bem-estar pela sociedade, não há razões para acreditar que o egoísmo perverso do Estado se regenere com esta crise.

Nada garante que líderes arrogantes, como Trump, boçais e patéticos, como Bolsonaro, iliberais, como Orbán, despóticos, como Maduro, ou alheios ao valor da liberdade, como Xi Jinping, percam poder com a sua lógica do “nós contra os outros”. Ditadores como Assad permanecerão iguais a si mesmos. Onde houver soberania popular, ou seja, democracia, há uma réstia de esperança de que algo mude para melhor. Mas profetizar um admirável mundo novo de justiça e humanidade é uma utopia como tantas outras que se esboçaram em tempos de crise como a que hoje vivemos. Fonte: Jornal de Caruaru.


Nenhum comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Rede Boquira News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. A Rede poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. A responsabilidade é do autor da mensagem.