77 9.9931-7142

Boquira-Bahia-Brasil

Fique Bem Informado com Notícias Atualizadas


Adélio Bispo recusa oferta da Polícia Federal para fazer delação premiada

Adélio Bispo, que esfaqueou o então candidato à presidência Jair Bolsonaro, recusou uma oferta da Polícia Federal para fazer uma delação premiada. Ele foi diagnosticado com uma doença mental e, por isso, é considerado inimputável pela Justiça. O Palácio do Planalto não quis se manifestar sobre o assunto.


Adélio foi ouvido nesta quinta-feira (31), no presídio federal de Campo Grande pelo delegado da Polícia Federal em Minas Gerais, Rodrigo Morais. Ele é o responsável pelo inquérito que apura a existência de comparsas ou mandantes do ataque a Bolsonaro.


Adélio Bispo repetiu que agiu sozinho, negou que o atentado tenha sido encomendado e não quis fechar um acordo de delação premiada por considerar que não tem nada a acrescentar às investigações.


O processo principal foi concluído em julho. Adélio é comprovadamente o autor da facada, mas como foi diagnosticado com transtorno delirante persistente não pode ser responsabilizado penalmente.


A Justiça determinou, então, que ele cumpra medida de segurança por tempo indeterminado. Atualmente ele recebe tratamento psiquiátrico no presídio em Campo Grande, para onde foi levado logo após o crime, em setembro do ano passado.


O advogado Zanone Júnior passou a ser o responsável por Adélio Bispo perante à Justiça. É o curador.

Adélio Bispo já pediu à Justiça uma transferência para um presídio estadual que fique mais perto da família em Montes Claros, Minas Gerais. O advogado Zanone Júnior é contra. Disse que teme pela vida do cliente. Ele também afirmou que vai deixar o caso e dar lugar a um defensor público.


Logo depois da tentativa de homicídio de Jair Bolsonaro, Zanone Júnior se apresentou espontaneamente para defender o agressor, o que provocou questionamento sobre quem teria pagado os honorários.

Zanone afirma que recebeu dinheiro vivo de um homem, frequentador da mesma igreja de Adélio, em Montes Claros, mas nunca o identificou.


O presidente Jair Bolsonaro chegou a entrar em choque com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), quando pediu a quebra do sigilo telefônico da defesa de Adélio, com o objetivo de descobrir um suposto mandante do crime.

Até hoje as investigações não indicaram a participação de terceiros. Fonte: TRBN

Nenhum comentário:
Write Comments

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Rede Boquira News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. A Rede poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Inscreva em Nosso Canal no Youtube. Clique no link - https://bit.ly/2OEJ9lD
Inscreva-se na nossa Newsletter